segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Estrela da Tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia

Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza

(...)

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto

Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!


José Carlos Ary dos Santos

10 comentários:

Maresia disse...

Poema fantástico e música fantátisca! Há coisas perfeitas!

Bruma disse...

Adoro este poema de Ary dos Santos!
É de génio! ;)

Jinhos

Cleopatra disse...

Lindissimo sim.

Apenas eu disse...

Grande verdade!

Inezteves disse...

Se é...lindíssimo!!!

Madeira de Cetim disse...

Lindo blog, lindo poema...Parabéns!

Cleopatra disse...

Esta tarde já vai demasiado longa...Não?! :-)

JúliaML disse...

e eu que pensei que aqui era noite..

Rabisco disse...

Olá!
Lembro-me de, desde miúdo, gostar muito deste poema desta música.
Nunca fui muito apreciador do cantor que a catapultou mas conheço outras versões.
Mas mesmo na versão de Carlos do Carmo, lembro-me de saborear cada palavra do poema.
Existem realmente escritores fantásticos e Ary dos Santos será sempre um dos grandes!

Abraço grande

LUA DE LOBOS disse...

é um dos melhores dele
xi
maria